Nada
Es
Para
Siempre

Contador de visitas

miércoles, 30 de junio de 2010

¿Quieres conocer la muerte?


Jigoku Shoujo

martes, 29 de junio de 2010

Una rosa...

"Eres tu nadie mas
aquien quiero amar
y una rosa lo sabe"

¿Quien te dijo eso?
Quisiera poder olvidarme de ti
con otro sacarte por siempre de mi
decirte a la cara que no me haces falta
para poder vivir

Quisiera arrncarte de mi corazon
quitar de mi boca tu dulce sabor
echarte de menos al llegar la noche
y sin reproche RESIGNARME a tu adios
pero es que AUN te amo...

Pero...¿Hoy el cielo esta saliendo?

lunes, 28 de junio de 2010

My Will


Asakura
Kagome

Con verlo, lo dice todo...♥

Apache ♥

MI

Apache

viernes, 25 de junio de 2010

Los mas grandes empiezan con las mismas letras:
"El Porta"
"El Potro"
"Me haz enseñado TU
TU haz sido el MAESTRO
para hacer SUFRIR
si alguna ves fui MALA
lo APRENDI de TI"

Enfermucha :'(


Con anginas :'(

24/06/00-24/06/10 Prohivido olvidar


A diez años de tu viaje sin fin
te recordomos como el primer dia



Y EL POTRO NO MURIO!!!






Un largo camino al CIELO
TODOS llorando y SUFRIENDO
los heroes son de mentira
y TU RODRIGO
un ejemplo de la VIDA

miércoles, 23 de junio de 2010

Date por aludido

Y aqui no pinta
tu familia
ni tus fans
ni tus PUTAS amigas

ahora si puedes darte por ALUDIDO



PORQUE NO PUEDES ENTENDER QUE SE ACABO!!!


XQ SIGUES REZANDOLE A DIOS?


ACEPTALO!!! SE TERMINO


SUFRI y en balde


lo arregle diciendote ADIOS demaciado TARDE


Pero si tas iwual OwO
(te falta la barba mich ;D)

Prince Of Persia: The Sands Of Time

Recomedadisima muy buena *--*
y Jake Gyllenhaal esta tremendo jajajaja
*--* se parece a Michel a mi nadie me saca eso de la cabeza
jejeje ;D

Repito...

Zorra enchufada
y
vendido cabron

Porque no puedes entender que se acabo!!!


Jijiji odio labar la sangre de mi ropa despues de asecinar a alguien
Ya no te soporto mas ¬¬


Te juro que si alguna vez te cruzo en la calle

te conviene correr

xq te voy a matar a golpes n.n
No te das una idea de cuanto me duele esto...
TE EXTRAÑO DEMACIADO


u.u

domingo, 20 de junio de 2010









Me duele amarte tanto...
CON MUCHA MUCHA BRONCA >=S

I miss you u.u


WHEN YOU'RE GONE...

Siempre necesite tiempo para mí
Pero nunca pensé que te necesitaría cuando lloro
Y los días se vuelven años cuando estoy sola
Y esta hecho su lado de la cama donde el mentía

Cuando tu te alejas yo cuento los pasos que das
¿No ves cuanto te necesito ahora mismo?

Cuando tú te vas
los pedazos de mi corazón te hecha de menos
Cuando tú te vas
mi cara enseña que te hecha de menos también
Cuando tú te vas
no consigo las palabras que siempre necesito oír
y hacerme sentir bien.
Te hecho de menos

No he sentido esto antes
Todo lo que hago me recuerda a ti
Y la ropa que dejaste esta sobre el suelo
Y huele como tu
Amo las cosas que tú haces

Cuando tu te alejas yo cuento los pasos que das
¿No ves cuanto te necesito ahora mismo?

Cuando tú te vas
los pedazos de mi corazón te hecha de menos
Cuando tú te vas

mi cara enseña que te hecha de menos también
Cuando tú te vas

no consigo las palabras que siempre necesito oír
y hacerme sentir bien.

Te hecho de menos


Estábamos hechos el uno para el otro
Yo estoy aquí para siempre
Yo se lo que éramos
Oh oh oh oh oh
Todo lo que alguna vez quise era para ti, lo sabes.
Me cuesta respirar, necesito sentirte aquí junto a mí.

Cuando tú te vas
los pedazos de mi corazón te hecha de menos
Cuando tú te vas
mi cara enseña que te hecha de menos también
Cuando tú te vas
no consigo las palabras que siempre necesito oír
y hacerme sentir bien.
Te hecho de menos
Se termino?

sufri y en balde u.u

viernes, 18 de junio de 2010

No puedo olvidar
todo lo que hizo
por MI

Puta! Bazzel :D

puta disfruta de este momento viendo como me consumo
¿como puedes ser tan falsa? (¿Como?) Explicamelo Zorra!
suicidate, deja encendido el gas
para no volverte a ver, sino te matare yo joder.
Kiero verte morir, kiero robarte lo q tu jamas me diste
Pagaras por todo

Puta! Bazzel ;D

Te juro que...
Ahora mismo yo...
Desearia que...
Murieras!!!!!
"¿Revajarte a mi nivel?
tu niña mal criada
¿JAMAS LEGARAS A EL!"

jueves, 17 de junio de 2010

Alice




ZORRA ENCHUFADA
Y
VENDIDO CABRON
Ya no queda nada mas que decirte adios
y eso me duele
pienso que un hasta luego siempre es mejor
cuando parece...
que la via se termina y se separan nuestras vidas
me encanto viajar contigo
Como puedo yo borrar tus besos vida
Están tatuados en mi piel
Quiero de una vez por todas, ya largarte
Y borrarte de mi ser
Ojala y la lluvia me ahogue entre sus brazos
Para no pensar en ti
O q pase un milagro o pase algo,
Que me lleve hasta ti

WHEN YOU'RE GONE...

When you're gone
The pieces of my heart are missing you
When you're gone
The face I came to know is missing too
When you're gone
The words I need to hear to always get me through the day
And make it OK
I miss you



Cuando tú te vas
los pedazos de mi corazón te hecha de menos
Cuando tú te vas
mi cara enseña que te hecha de menos también
Cuando tú te vas
no consigo las palabras que siempre necesito oír
y hacerme sentir bien.
Te hecho de menos

miércoles, 16 de junio de 2010

♥LAS AMO♥



♥Las amo♥


Como duele

Y como duele que estes tan lejos...

Como duele tanta distancia...

Y duele quererte tanto...

Finjir que todo esta perfecto mientras duele...

He llegado a confundir con la ternura,

la lastima con la que a veces me miras...

Que triste es asumir el sufrimiento....

¿Que hago con este miedo al futuro?
"¿Cuando fue que se fue tu amor?
¿Como fue que se fue sin mi?"
"Que hace un 30 de febrero
que hace un rey sin heredero
y que estoy haciendo yo...
SIN TI"

martes, 15 de junio de 2010

Cuando estoy sin ti te necesito
pienso tu nombre en silencio
pero por dentro lo grito
Por culpa de ella
tengo que imaginarte
observarte en fotos
meses, horas, minutos
cada segundo es valioso
Su fragil estructura
la combierte en tan bella
su color desteñido
hizo que me fijara en ella
"A veces queda un rayo de luz
a veces queda la esperanza
no sabes lo que me haces sentir
cuando me abrazas..."
Cada vez que pienso en vos
fue amor ...
FUE AMOR...


Remember me




lunes, 14 de junio de 2010

"Fué lindo conocerte
gracias por ser como fuiste
y por hacerme sentir única
fué lindo lo que tuvimos
y gracias por ver como me enamoré"

Sin ti, sin mi...


"¿Que estas haciendo tu, que estoy haciendo yo?"

domingo, 13 de junio de 2010

"Tienes que saber
que es lo ultimo que pido
que estoy desesperado
y segun mis latidos
no me queda mucho
tiempo a mi favor"

Oh Canada!




Son lo mejor q me paso en la vida AMIGAS


"Eres todo para mi, me das todo a cambio de nada, y es que para mi TU AMOR es todo lo que NECESITABA"
"Vivir sin ti es posible sin mayor dificultad"

"Tengo muchas alas pa' llegar cielo
tengo muchas alas pa' llegar al sol"

Llegare a ti...




"Si siente frio tu corazon
sere tu abrigo
tu ilucion"

jueves, 10 de junio de 2010

Yo voy a hundir tu flota,
(Ja) notas quita esa cara de idiota,
ya puedes cerrar la boca,
la mierda como tu flota,
no se si ya lo notas,
que se acerca tu derrota,
no, no, no, no voy a dejarlo,
¡Que te jodan!

Jam


Millia


"Todo es tan real...
pero nada es normal...
jamas habia vivido
un sentimiento tan profundo
quedarme aqui a tu lado
es lo mas lindo de este mundo
todo es tan real
pero nada es normal..."

Porque...

  • En menos de lo qe imaginaba te convertiste en una persona demaciado importante para mi
  • Me das fuerzas con tus palabras aunqe estas tan lejos
  • Se qe la distancia hace qe esto sea mas lindo
  • Sos especial sin ni siquiera verte
  • Cuento los segundoa qe faltan para poder verte
  • Me entendes
  • Me aconsejas
  • Sentis cosas por mi qe sin verme me llegan
  • No bajaste los brazos desde hace cinco años
  • Estudias, trabajas, tenes un proyecto de vida
  • No te molestaria qe yo integre ese proyecto
  • Me haces sonrojar
  • Decis qe soy tu novia, aunqe no lo sea
  • Sonrio al verte conectado
  • Espero qe vuelvas pronto de Canada!
  • Y por muchas, pero muchas cosas mas

TE QUIERO MUCHO PABLO!!!

miércoles, 9 de junio de 2010

Distancia

Odio ver cuando se va alejando el tren
y ver caer tus lagrimas sobre el anden
no se si existe el destino, solo se que te quiero
cuando te veo al final de la via siento que me muero
kilometros en mi cabeza se convierte en ganas de tenerte
no me importa tener que sufrir a veces para poder verte
sentirte dentro mio, te necesito el calor sin ti se vuelve frio
siendote sincero yo no quiero conformarme, sentirte cerca
es no querer volver a alejarme mas
ire hasta donde haga falta solo pa estar contigo
por eso no me rindo y por este camino sigo
hay obstaculos pero no pueden interponerse
nada puede pararnos, nada es lo suficientemente fuerte
vivo esperando un tren de ida pero sin vuelta
porque te esfuerzas en joderme, no quieres darte cuenta
que en mi cuento manda ella y tambien yo.
Y tu no eres bien recibida en nuestra historia de dos
no haras que crezca el dolor, no conseguiras niun lamento
eres la responsable de que mi tiempo pase lento
de que me ralle por nada y por todo a la vez
te quiero más cada segundo, minuto, hora, cada mes
cada vez mas la discusiones, la distancia duelen
en mucho mas de lo que aparentan, se convierten
espero impaciente a que la arena del reloj baje
vivo tachando los dias hasta que el tiempo se pare
para no separarnos nunca jamás
y no tener que recorrer ese trayecto nunca más
será mi castigo la distancia, el tiempo, el distanciamiento
sabes que no miento cuando digo que te quiero
no puedo verte cada día, pero si en mi pensamiento
porque si te soy sincero de aqui no sales ni un momento
por culpa de ella tengo que imaginarte, observarte en fotos
meses, horas, minutos, cada segundo es valioso
por ella corazones se separan se rompen en trozos
pero ni la distancia, ni el tiempo va a poder con nosotros (x2)
Y si, casi siempre estoy en silencio
es por si oyes mis latidos a lo lejos
te llevo en mi corazón, tu tienes sus llaves
nada nos podra separar jamás y además lo sabes
todo esta en contra nuestro, menos las mariposas
las estrellas y el cielo que se disfraza de rosa
tengo que aprovechar cada segundo que estoy contigo
porque despues una vía separa nuestro camino
para mas tarde volvernos a juntar (porque)
No quiero, joder no quiero volver a llorar
aqui la impaciencia se apodera de mi
cada dia sueño con estar despierto junto a ti
siempre haciendo nuestros planes de un futuro cercano
tu y yo solos agarrados por las manos
entre semanas siempre espero a que sea viernes
para coger un tren que me acercara a verte
odio los lunes pero no por el trabajo (que va)
sino por coger otro tren que tres días antes me trajo
estamos separados, pero unidos por nuestros latidos
compartimos una via, un cielo, un mismo destino
la distancia, el tiempo no nos favorece
la distancia se va acortando cuando nuestro amor crece
el tiempo se hace eterno, la distancia veneno
tu y yo gritamos fuerte, porque necesitamos vernos
quiero burlarme del tiempo, escupir a los kilometros
secar lagrimas, dejar de estar triste para estar contentos lejos
quiero irme lejos pero contigo
y poder dejar la carga de esta pena en este escrito
llamadas, mensajes, aumentan las ganas de acortar un plazo
las ganas de besarte, de darte un abrazo
ojala pudiera decirte que no hay que esperar
que nada nos va a separar
que el pasado quedo atras
por culpa de ella tengo que imaginarte, observarte en fotos
meses, horas, minutos, cada segundo es valioso
por ella corazones se separan se rompen en trozos
pero ni la distancia, ni el tiempo va a poder con nosotros (x2)
La distancia, es lo que se interpone entre nosotros
hay un camino que yo voi a recorrer para estar contigo.

La distancia...

sábado, 5 de junio de 2010

"Cuanto puedo esperar
si noto que se acaba el tiempo
si por cada minuto
late otro corazon mas lento..."


"Todo lo que vino
tarde o temprano se va"

viernes, 4 de junio de 2010

U.U ufa me deves una cena ¬¬


ahora vas a tener que aprenderte el hipno de Canada jajaj ;D
"Y fue tan fuerte volver a verte..."


Gracias... u.u y perdon por todo

te mereces algo mejor, yo no soy para vos

pero sos muy especial para mi SABELO...

T QUIERO MUCHO LUCAS!

-.- me compraste el cd de Porta u.u no hacia falta...

"Se le llama esperanza a esa realidad distorcionada"
RAP
RAP
RAP
RAP
RAP
RAP
RAP
RAP
RAP
RAP
RAP
RAP

RAP
RAP
RAP

y mas RAP!
MI IDOLO MAXIMO!
qe seria de mi sin tu musica
"Para mi hoy no existe
nadie mas que PORTA!"
"Perdera la cabeza!"

jueves, 3 de junio de 2010

Que en paz descanse u.u

Estoy demaciado triste para poder pensar
para poder concentrarme
u.u
en todo lo que hago se aparece tu imagen
aunque ya no quiero que sigas en mi vida
estas hay...
pero quiero creer que todo esto fue un sueño...
una pesadilla a fin de cuentas
de la cual ya desperte y toque tierra
de tanto flotar cuando cai me hice MIERDA
u.u
y me dolio demaciado
nadie sabe lo que siento en este momento
esta soledad, este dolor en mi pecho
este vacio que perforaste en mi
es como un hueco que no se llena
pero aun asi prefiero pensar en
este presente vacio
que en el pasado doloroso
tener los lindos momentos guardados
en un pequeña cajita de cristal
muy dentro mio
y dejarlos hay, porque tampoco
vale la pena recordar para llorar lo que no pudo ser
y creer que el futuro que planeamos juntos jamas pudo haber sido
y que ahora estas en un lugar mejor...
porque moriste...y yo mori con vos



"Osare, me atrevere...
tomare todas esas pastillas
de una puta vez?
lograre que este dolor termine?
solo el tiempo lo dira
el tiempo y mi locura..."





Q.D.P.K.R.H u.u

aunq ya no estes...

"Tu,
no podras faltarme
cuando falte todo a mi alrededor"

miércoles, 2 de junio de 2010

Pensar que hubiera dado
TODA mi vida por solo UN segundo al lado tuyo
"Te regalo una infidelidad por cada rosa"
Si esto hubiera pasado mi casa seria un jardin n.n
"Y es que el perdon
sera tu devilida
pero lo que pasa una ves
siempre sucede
una ves mas..."

Chile o no Chile?, he aqui la cuestion xDD

Me voy a Chile!!!
me voy a Chile
me voy a Chile?

xDD


;D

quieren que pelee en Chile ;D

peru noc q hacer :(

Vientos nuevos me llevan a otros rumbos

Se va todo lo malo
y espero q vengan cosas buenas
si vos estas en mi vida
y no te alejas
seguramente si...
"Solo pido un deseo
a las estrellas que me miran
desde el cielo...
borren su imagen de mi mente
y de cada lugar donde
normalmente esta
el presente, en mi..."
Ojala hubiese una tecla de suprimir en nuestras vidas, asi todo
sera mas sencillo...

Delete



Eliminando a personas de mi vida...

Cuando me vas a decir q chi bonito?

Michel!



GRACIAS POR HABER ENTRADO EN MI VIDA AMIGOTE! TuT

sos demaciado importante para mi



Para mi ya estas muerto n.n

Apartir de hoy vos para mi estas MUERTO!
yo daba la vida por vos, cuando te perdi me quise suicidar
y te chupa un huevo
bueno a mi tambien me chupa un huevo vos tu vida tus relaciones y todo
pero yo ya no voy a ser mas la estupida con la que te revolcas
sabelo
ME TERMINASTE DE PERDER!
y el otro dia me lloraste como un nene porque no podes estar sin mi
bueno ahora llorale a ella para que no te quedes solo a fin de cuentas
pero se que todo esto te va a ser dar cuenta q TE EQUIVOCASTE y feo
y ese dia te vas a querer matar n.n
y sabes que yo no te voy a llevar flores porque ni eso mereces
ya no sineto nada por vos
tengo mucha bronca pero se que se me va a pasar
pero no por vos sino por mi por dejarme usar asi
n.n CHAU PARA SIEMPRE y HASTA NUNCA MAS!

;D Para mi ya estas mueto ;D

"Tu no sabes quererme
has logrado perderme
todo no es como crees pues
NO VALES NADA!!!"

Dojo Sparta *--*

martes, 1 de junio de 2010

Como hago con usted señor para ver si se
enamora
de esta DOS AÑOS MENOR


:D


xDD
Porque TU me gustas mucho NENE!!!
aunq sos mas grande que yo te digo nene que buena que soy ;D
Adios mes de Mayo
y
HOLA!!! JUNIO! OwO
TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO- TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO-TE AMO!!!

New Moon

New Moon
"...Pero segui caminando sin pensar en nada. No podia hacer otra cosa. Debía mantenerme en movimiento, porque si dejaba de buscarlo, todo habia acabado. El amor, la vida, su sentido...todo se habría terminado"

A las 12 se termina el cuento

A las 12 se termina el cuento
"Y en la realidad princesas se tiran y acaban muertas"
(/)_(/)
( ¬.¬ )
C(//) (//)


"Y sucedio todo acabo..."
I have died everyday waiting for you
Darling don’t be afraid I have loved you
For a thousand years
I love you for a thousand more

Mirame y dime que sientes, tu decisdes...

I have died everyday waiting for you

I have died everyday waiting for you
Dicen que estoy loca
que soy una enferma
¿saben lo mejor de todo?
estan en lo cierto

Dulce perdida de la inocencia

FUCK YOU [!]

FUCK YOU [!]